Carregando...Dor Pélvica Masculina

Dor Pélvica Masculina – Quais as Causas?

Dor Pélvica Masculina. Dores na região pélvica não fazem habitualmente parte do dia-a-dia de um homem como observa-se com mais frequência no caso das mulheres. No entanto, quando ela aparece e persiste sem melhora deve ser considerada como um sinal de alerta.

A síndrome da dor pélvica crônica é uma condição que também pode afetar pacientes do sexo masculino, interferindo diretamente em sua qualidade de vida. Continue a leitura deste artigo e saiba mais sobre a dor pélvica masculina, assim como suas causas e meios de tratamento.

Dor Pélvica Masculina

O que é a SDPC

A síndrome da dor pélvica crônica (SDPC) pode ser definida como uma dor, pressão ou desconforto envolvendo a região da pelve, períneo e órgãos genitais que persistem por mais de três meses sem causas aparentes como infecções, anormalidades anatômicas ou neoplasias.

Os órgãos que compõem a pelve masculina são, dentre outros:

  • Bexiga;
  • Próstata;
  • Cólon.

Geralmente, a condição é percebida em homens jovens ou de meia idade, no entanto nada impede de ocorrer também em outros grupos, como idosos. Por isso, é importante manter um acompanhamento médico regular, independente de sua idade, e relatar qualquer percepção de alterações em seu corpo para que as providências sejam tomadas o quanto antes, a fim de melhorar sua qualidade de vida.

Causas para a SDPC

Uma das principais causas da síndrome da dor pélvica está relacionada à hiperexcitação do sistema nervoso central e periférico, promovendo um estado constante de estímulo na musculatura do assoalho pélvico.

Preocupação, ansiedade, e nervosismo são fatores que podem desencadear este estímulo exagerado e consequentemente as dores ou desconforto na região pélvica.

Sintomas Desencadeados Pela Dor Pélvica No Homem

A única forma de diagnosticar a dor pélvica é pelo conjunto de sintomas que a condição apresenta, sendo eles:

  • Dor ou desconforto na região do períneo;
  • Dor ou desconforto na área suprapúbica;
  • Dor ou desconforto no pênis ou testículos;
  • Dor ao urinar ou ejacular;
  • Fluxo lento e intermitente da urina;
  • Desconforto ou ardência ao urinar;
  • Aumento da frequência de micção;
  • Aparecimento de disfunção sexual.

Ao perceber que os sintomas persistem por mais de 90 dias, é recomendado buscar ajuda de um médico urologista de sua confiança para juntos desenvolverem o melhor tipo de tratamento para a condição.

Com esse conjunto de informações, seu médico poderá pedir exames complementares. Por exemplo: exames físicos e laboratoriais como a cultura de urina, para excluir outras condições médicas.

Existem Tratamentos para a SDPC

O tratamento utilizado para esta condição geralmente envolve uma estratégia multimodal. E deve ser personalizada de acordo com as queixas apresentadas por cada paciente, assim como pelo seu fenótipo clínico. Algumas das técnicas utilizadas podem ser:

  • Termoterapia localizada;
  • Exercícios de baixo impacto;
  • Dieta balanceada;
  • Fisioterapia.

Além destas, também poderá ser indicado o uso de fármacos para a dor neuropática, como antidepressivos, tricíclicos ou gabapentinoides. A psicoterapia e a fisioterapia do assoalho pélvico também podem ser grandes aliadas na aprendizagem dos benefícios de técnicas desenvolvidas para enfrentar a dor. Em último caso, ou quando há uma indicação extremamente específica, o paciente deverá passar por procedimentos cirúrgicos.

Mais Informações sobre Dor Pélvica Masculina na Internet:

O Artigo foi Útil?

Clique em 5 estrelas!

Classificação média: / 5. Contagem de votos:

Informações Relevantes, Compartilhe:
Agende uma Consulta